terça-feira, 27 de dezembro de 2016

9 coisas que um homem comprometido nunca deve falar a outra mulher

Pode parecer inocente, mas NÃO é.

  • Homens casados interagem com outras mulheres no trabalho, faculdade e até mesmo com a família da esposa. Mas essas interações devem ser respeitosas tanto para a esposa quanto para o marido.
    Amizades muito íntimas devem ser evitadas a todo custo, tanto para os homens quanto para as mulheres. A melhor amiga de um homem casado deve ser a sua esposa e a mulher com quem ele mais conversa e fala de sua vida deve também ser a sua esposa. A esposa deve ser a principal mulher na sua vida, sem exceção.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

13 sinais de que voce é infiel emocionalmente ao seu conjuge

Se você gosta da amizade de outra pessoa em demasia, pode ser que você esteja tendo um caso emocional extraconjugal. Faça o teste e descubra se você já passou dos limites de uma amizade e o que deve fazer a respeito.

  • Vocês são apenas conhecidos no Whatsapp, Facebook, amigos, companheiros de trabalho talvez. Nada físico aconteceu entre vocês até hoje, vocês até mesmo se ajudam em relação ao casamento um do outro, gostam de conversar e se entendem, riem juntos.
    Segundo a professora de psiquiatria da New York Weill Cornell e autora de best-sellers, Gail Saltz, "Muitas dessas conexões emocionais evoluem para uma relação extraconjugal. Se elas não progridem para o sexo, é muito fácil dizer a si mesmo que você não está fazendo nada de errado. O problema é que a aproximação emocional com outra pessoa impacta seu casamento, ou seja, seu casamento termina, ou você precisa terminar a "amizade" com aquela pessoa para manter seu casamento intacto".
    Você pode achar que isso é apenas a descrição de uma boa amizade. Realmente há muitas amizades saudáveis entre mulheres e homens que não invadem o campo do caso extraconjugal emocional, mas há alguns sinais que mostram que talvez você esteja ou já tenha sido infiel emocionalmente ao seu cônjuge:
    1. Você começa a se vestir melhor quando vai ao local onde aquela pessoa está.
    2. A pessoa geralmente é a primeira coisa que lhe vem à cabeça quando você acorda.
    3. Você mal pode esperar a hora de encontrá-lo para contar boas notícias.
    4. Você se sentiria culpado ou sem graça se seu cônjuge os visse juntos.
    5. Você cancela qualquer outro compromisso se a oportunidade de estar com ele aparece.
    6. Você não conversaria com essa pessoa como o faz em frente ao seu cônjuge.
    7. Você abre problemas conjugais a essa pessoa e provavelmente seu cônjuge não sabe.
    8. Você conta segredos sobre seu cônjuge a essa pessoa.
    9. Você mantém em segredo o tempo gasto com essa pessoa, seja enviando e-mails, ligando, mandando SMS.
    10. Você gasta energia emocional com essa pessoa, compartilha tudo com ela, coisas que não compartilha com seu cônjuge.
    11. Você encontra motivos ou dá desculpas para encontrar essa pessoa de alguma forma.
    12. Você se sente emocionalmente dependente dessa pessoa.
    13. Você bloqueia o celular ou apaga as mensagens da pessoa virtualmente para que seu cônjuge não veja.
    Segundo Saltz, a grande maioria dos casos extraconjugais onde há sexo envolvido começa com a infidelidade emocional. Alguns evoluem rapidamente para a infidelidade sexual, mas outros permanecem emocionais por algum tempo.
  • Infidelidade não é o único problema com seu casamento

    A infidelidade nunca é aceitável, seja ela emocional ou física. Quando um casamento é invadido por outra pessoa, ou quando um dos cônjuges procura uma terceira pessoa e a conexão emocional ou física começa, o problema do casal não é somente que houve uma traição e como se recuperar dela. O casal se vê entre vários outros problemas, e nunca a culpa é somente de um cônjuge.
  • Como acabar com a infidelidade emocional

    1. Reconheça que a "amizade" já evoluiu para um caso emocional extraconjugal. Se você se sente culpado, vulnerável e desonesto com seu cônjuge, por pior que seu casamento esteja, já são sinais explícitos.
    2. Seja honesto. Você provavelmente já sabe que o nível de intimidade com essa pessoa é inapropriado. E ao mesmo tempo não quer o divórcio de seu cônjuge.
    3. Investigue a raiz do problema. Por que isso aconteceu? Seu casamento vai mal e seu cônjuge está distante e não lhe dá o apoio emocional que você precisa? Você acha que ele faz isso e faz também por "vingança"? Considere a destruição emocional e o impacto que isso tem ou poderá ter no seu casamento. Leia O inferno de um triângulo amoroso para entender exatamente o que eu quero dizer.
    4. Decida o que fazer sobre seu caso extraconjugal. Assuma que um casamento de sucesso inclui dedicação, trabalho durante toda sua vida. Tanto o que você já tem quanto o caso que por agora, parece perfeito.
    5. Termine definitivamente sua conexão emocional com outra pessoa que não seja seu cônjuge.
    6. Seja responsável pelas consequências de seus atos para restaurar a confiança de seu cônjuge.
    7. Resolva os conflitos de seu casamento, diminua a distância e invista em sua relação. Pense nisso com carinho mais de uma vez.
    Não deixe para enfrentar e resolver os problemas do casamento como casal após a infidelidade, pois as chances de que seu cônjuge perdoará uma traição são escassas. Se apenas o desejo de trair houver, se as investidas de alguém ou a proximidade com outra pessoa lhe traz pensamentos do tipo, isso é sinal de que outros problemas maiores precisam ser descobertos e tratados no seu casamento.
    Trair não resolverá os problemas e sua desonestidade criará outros problemas maiores que afetarão gerações.
  • Por C. A. Ayres

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

15 passagens da Bíblia para fortalecer o seu casamento

Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, e serão os dois uma só carne (Marcos 10:7-8)

  • Todo casamento à luz da Bíblia tende a ser mais completo e feliz. Ao buscar entendimento religioso e a vontade de Deus para a vida, especialmente para o relacionamento conjugal, é possível encontrar maior alegria no cotidiano, mesmo em meio às grandes dificuldades que todo relacionamento oferece.
    Há passagens especialmente fortalecedoras do casamento e, quando estudadas a dois, proporcionam oportunidade de crescimento espiritual e aperfeiçoamento na vida individual e familiar.
  • 1. Hebreus 11

    Este capítulo, repleto de ensinamentos do apóstolo Paulo, é claro sobre o assunto fé. Por ser um princípio básico, uma pessoa com fé em Jesus Cristo busca seu próprio aperfeiçoamento, pois acredita no propósito real da sua existência. Ela vive pela crença, que a liberta da morte e pecado. Quando cada um dos cônjuges exerce fé e luta por seu casamento, o sucesso é o próximo passo.
  • 2. Mateus 23:11-12

    Relacionamentos igualitários, regidos por lei no Brasil, onde ambos lideram e servem, são humildes em reconhecer suas próprias falhas e trabalhar para ser melhor, são muito mais fortes.
  • 3. Romanos 6:12-23

    O pecado traz infelicidade conjugal. Ao buscar o abandono total e agir de acordo com a vontade de Deus, o casamento será amplamente favorecido.
  • 4. Isaías 1:16-20

    Reconhecer erros, confessar e os abandonar é algo poderoso no fortalecimento da relação conjugal.
  • 5. Lucas 17:3-4

    Andando junto com o arrependimento está o perdão. Nesta passagem, Jesus ensina que é necessário perdoar tantas vezes o mesmo erro quanto for necessário, mesmo que seja em um mesmo dia. Casais que perdoam um ao outro são muito mais felizes em suas vidas.
  • 6. Efésios 4:26-27

    Um casal forte sabe que ir dormir sem resolver um problema conjugal é perigoso para seu relacionamento.
  • 7. Provérbios 4:23-27

    A fidelidade um ao outro e a Deus fortalece o casamento.
  • 8. Filipenses 4:7-8

    Manter os pensamentos no que é verdadeiro, honesto, puro, justo, louvável, amável, virtuoso e de boa fama ajuda a manter o casal firme na fé.
  • 9. Mateus 7:1-14

    No sermão da montanha, Jesus ensinou maravilhas. Algumas delas contidas nestes primeiros versículos deste capítulo são fundamentais para o fortalecimento do casal. Não reparar nos erros do outro cuidando primeiro dos próprios, fazer aos outros o que gostaria que fosse feito para si são regras fundamentais para um ótimo relacionamento.
  • 10. Tiago 5:13-18

    A oração diária e constante, individual e em casal, fortalecerá grandemente o casamento.
  • 11. I Coríntios 13

    Sem dúvida alguma, o amor em sua essência pura, semelhante ao amor de Cristo, disposto a sacrificar sua própria vida a seus irmãos, deve ser sempre estudado e vivenciado em casal.
  • 12. Eclesiastes 3:1-8

    Aguardar o momento de Deus e ter a consciência de que desperdiçar o tempo da vida não é proveitoso mostra que vale muito mais passar algumas horas agradáveis um ao lado do outro que promovendo desentendimentos e mais problemas, além do que a vida já impõe.
  • 13. Romanos 12:9-21

    Respeito, cordialidade, interesse real, cuidados, bondade, humildade, sapiência, sem desejos de vingança ou de retribuir o mal com mal. Estas coisas também são muito importantes para o casal.
  • 14. 1 Samuel 16:7-12

    Assim como Deus olha para o coração e não para o que apenas os olhos contemplam, o casal que vê um ao outro como um filho importante de Deus, acreditando em suas qualidades e importância, mantém seu relacionamento forte e capaz de enfrentar muitas dificuldades.
  • 15. 1 João 5:1-5

    O casal unido e fortalecido pode vencer todas as coisas, através de seu empenho e fé.
    Aproveitar estas 15 sugestões de estudo e separar um dia por semana com o cônjuge para juntos lerem e conversarem a respeito de como podem fortalecer seu relacionamento, com humildade e amor um pelo outro, certamente contribuirá para a formação de um casal forte e vitorioso.
  • Por: Michele Coronetti

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

7 coisas inesperadas que aprendi do jeito mais difícil após o divórcio

O divórcio me pegou desprevenida, e a necessidade fez com que eu aprendesse algumas coisas à marra!

  • Aprendi algumas coisas bem difíceis após meu divórcio. Gostaria de compartilhá-las com vocês:
  • 1. Onde foi que eu errei?

    Depois de um casamento fracassado, ainda que se tenha sido vítima das circunstâncias, é impossível não se questionar: "Em que parte do processo de escolha eu errei?", "Por que não dei a devida importância aos sinais tão claros de que não daria certo?", "O que eu poderia ter feito, como cônjuge, para impedir que as coisas chegassem nesse ponto?".
    Esses e outros questionamentos surgem inevitavelmente, ainda que tarde demais, e nos ajudam a refletir sobre as escolhas passadas, e servem de alerta para futuras escolhas.
  • 2. Essa supermãe que as pessoas veem em mim simplesmente não existe!

    Penso que os pais que têm a guarda dos filhos se sintam da mesma maneira.
    Eu sempre ouço meus amigos afirmando que sou uma supermãe, um exemplo, cheia de garra e de coragem etc. Às vezes é bom ouvir essas coisas, mas é impossível não lembrar que eles não estão me julgando adequadamente. Eu não sou tudo isso! Eu falho, e muito! Estresso-me, choro, sinto-me sobrecarregada muitas vezes, altero o tom da voz quando estou nervosa. É uma barra ter que resolver tudo sozinha! Eu sou somente uma mãe e não "pãe". E nem quero ser, porque nenhuma mulher substitui a figura masculina na vida dos filhos.
  • 3. Eu achava que tinha muito para fazer quando era casada, mas agora..

    Eu vivia me gabando da dona de casa atarefada e exemplar que eu era. De fato, eu tinha muita coisa para fazer, mas agora! Minha nossa! É praticamente tudo nas minhas costas: trabalho, casa, roupas, filhos, quintal, cachorros...
    Confesso que muitas vezes a louça fica na pia, a casa por varrer, as ervas daninhas crescem descontroladamente no quintal e as camas por arrumar. Às vezes, quando meus filhos chegam da escola, eu distribuo entre eles algumas tarefas. Eles me ajudam no básico. Ainda assim, qualquer ajuda é muito bem-vinda. Porém, pouco tempo depois de tudo estar em ordem, adivinha? Está tudo fora do lugar de novo! Posso repetir as tarefas como fazia quando era casada? Não, porque agora minha prioridade é o ganha-pão.
  • 4. Nem tudo sai como planejado, principalmente no quesito "novo amor"

    Depois da minha separação, eu tinha mil planos em mente. Iria esperar meu divórcio sair e refazer a minha vida. Estava tudo esquematizado: "Achar um cara legal, dar uma vasculhada básica na vida dele, para me certificar que está tudo em ordem, namorar e casar de novo! Meus filhos precisam de uma figura masculina em casa e eu mereço uma segunda chance!".
    Mas o tempo foi passando, deixei passar uma oportunidade aqui, não valorizei outra ali, ignorei outra acolá. Seis anos e meio se passaram e nada! E quando eu penso nisso, confesso, sinto uma preguiça! Cadê aquele pique de antes? Será que é a idade? Ou tenho tanta coisa para fazer e acaba não sobrando tempo para isso?
  • 5. Uma visitante indesejada: a solidão

    Ninguém se sente confortável em confessar que sente solidão. Eu só vou confessar porque ela é uma visitante esporádica, tá certo? Também, com três filhos supercarinhosos em casa, não é fácil sentir solidão. Mas abraços e beijos carinhosos de filhos não substituem abraços e beijos românticos de um homem.
    Então, sim, de vez em quando me dá vontade de estar casada novamente. E sim, tem horas que eu penso seriamente nisso!
  • 6. Por que é tão difícil encontrar um candidato que se encaixe no perfil?

    E quando bate a vontade de se casar, gente do céu! Pode até parecer piada, mas é bem assim que funciona a nossa cabeça (pelo menos a cabeça das mulheres RESPONSÁVEIS e com filhos).
    Depois de um casamento desfeito, quem vai querer embarcar em outra furada? Então, por medida de segurança, a gente faz mentalmente (às vezes até passa para o papel para não esquecer) uma lista do que é aceitável ou não no candidato à vaga (do coração, para não parecer uma escolha tão racional):
    • Não precisa ser bonito, mas tem que ser atraente.
    • Não precisa ser rico, mas autossuficiente.
    • Precisa querer crescer na vida, mas sem ambição desmedida (não é um poema, ok?)
    A lista é longa - inclui simpatia, bom-humor, fidelidade, honradez, inteligência, paciência, lealdade, bondade etc. - é melhor parar por aqui. Só quero mostrar como nos tornamos tão exigentes depois do divórcio! Não é porque nos achamos bons demais para o outro, mas é por querer acertar de verdade da próxima vez.
  • 7. Os divorciados cristãos, especialmente as mulheres, são alvos dos mais duros julgamentos

    Como cristã, eu não poderia deixar de fora algo que acontece frequentemente aos divorciados em muitas igrejas cristãs. Isso nunca aconteceu comigo, menos ainda na igreja em que congrego, porque tal visão não faz parte da nossa crença. Mas sinto-me consternada quando vejo isso acontecer a outras pessoas.
    Tenho visto, no ambiente virtual, ataques implacáveis e ofensas contra cristãos que optaram pelo divórcio, especialmente contra aqueles que cogitam um novo casamento. Muitos, nesse meio, defendem a insolubilidade do casamento, independente do que tenha acontecido entre o casal, e condenam um segundo casamento.
    Pois bem, apesar de ser uma defensora ferrenha do casamento e da família, tenho plena convicção de que Deus jamais se oporia ao divórcio quando há traição, violência ou qualquer tipo de abuso físico ou psicológico. Ele jamais se defenderia a insolubilidade de um casamento em casos graves. Pelo contrário, Ele ama Seus filhos e quer sua felicidade e segurança.
    Da mesma maneira, Ele não deseja solidão eterna para seus filhos. Quando transmitiu as chaves ao Apóstolo Pedro, Jesus disse que TUDO o que Pedro ligasse na terra, seria ligado no céu. E TUDO o que ele desligasse na terra, seria desligado no céu. (Mateus 16:19)
    Podemos ser ligados (unidos) uns aos outros em casamento na terra, e esse casamento é reconhecido no céu. Pela mesma autoridade, podemos ser desligados uns dos outros. Se formos desligados, o casamento já não existe, nem na terra, nem no céu. Portanto, não somos mais casados perante Deus.
    Passar por um divórcio, especialmente quando há filhos envolvidos, é uma das piores experiências pelas quais uma pessoa pode passar na vida. Mas, como de tudo na vida, pode-se tirar dela grandes lições, sendo as maiores delas aprender com os próprios erros e aprender a confiar na própria intuição. Seguir nossa intuição pode evitar muitos problemas futuros, principalmente ver um novo relacionamento ruir.
  • Por Erika Strassburger

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

4 razões para você ser grata ao seu ex-marido

Dois anos depois de ter sido traída e abandonada, essa mulher escreveu uma carta surpreendente ao ex-marido.

  • Em uma carta aberta publicada no The Huffington Post, Sara Woodard-Ortiz abriu o coração e revelou ao ex-marido quatro coisas pelas quais ela é grata. E, por incrível que pareça, tem a ver com ele.
  • 1. "Sou eternamente grata por você ter fornecido a outra metade do DNA da nossa filha"

    Se você, que está lendo isso agora, também for divorciada, há de concordar que essa foi a melhor coisa que seu ex fez por você. Se pudesse voltar no tempo, ainda que soubesse o que o futuro lhe reservaria, é provável que, assim como maioria das mulheres, você se casaria novamente com ele só para ter o privilégio de ser mãe de seus filhos amados.
  • 2. "Obrigada por cortar a minha comida para que eu pudesse comer com uma mão enquanto amamentava a nossa filha"

    O ex-marido dela foi muito fofo ao picar a carne e outros alimentos em pedaços pequenos para que ela pudesse dar de mamar com mais facilidade durante as refeições. Se seu ex-marido fez algo parecido, não perca a oportunidade de lhe agradecer.
  • 3. "Obrigada por me ensinar o verdadeiro significado do amor e do casamento"

    Ela disse que não teria compreendido o verdadeiro sentido do amor e do comprometimento se o casamento deles não tivesse fragmentado e chegado ao fim. Disse que é o conceito 50/50 - que era a realidade do casal - que realmente leva ao divórcio, e é grata por ter aprendido que o correto é o conceito 100/100, isto é, dar 100 por cento de si para fazer o casamento funcionar.
    Para entender melhor esse conceito:
    Se você também aprendeu, a duras penas, que só há prejuízo em um casamento no estilo 50/50 (em que cada um dá de si somente o que o outro estiver disposto a dar), seja grata a seu ex-marido, pois daqui por diante você poderá aplicar o conceito 100/100 no seu próximo relacionamento e ser muito mais feliz.
  • 4. "Obrigada por me dar uma segunda chance de felicidade"

    Sara confessou: "Aprendi muito sobre mim desde que nos separamos há 2 anos. Aprendi que sou capaz de cativar muito mais do que eu pensava ser possível. Aprendi a me amar e (...) que o amor não é um conto de fadas. Acredito que todas essas lições acabarão por me levar a um relacionamento maravilhoso e gratificante no futuro."
    Logo após o divórcio, e por conta de todo o sofrimento que seu ex a fez passar, Sara passou a chamá-lo de "Sub-Humano" e fez isso por um bom tempo, até perceber que deveria adotar uma postura mais positiva em relação à vida, começando por se livrar do estigma de traída e abandonada. Ela o fez, e hoje tem muitas histórias bonitas de aprendizado para contar.
    Por mais que doa ver um relacionamento chegar ao fim, ainda mais quando há filhos da relação, conforme o tempo vai passando e a dor amenizando é possível enxergar um novo recomeço e não mais o fim de um sonho. E com toda a bagagem trazida do relacionamento anterior, é possível fazer melhores escolhas, e fica mais fácil perceber e evitar atitudes que sabemos que poderá trazer prejuízo ao novo relacionamento.
    Você se identificou com algum desses pontos? Que agradecimentos gostaria de fazer ao seu ex-marido?
  • Por: Erika Strassburger
  • Fonte: familia.com.br

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Porque um relacionamento 50/50 é um relacionamento ruim

Um relacionamento em que não investimos 100 por cento não pode ser um bom relacionamento. Dar apenas a metade de nosso potencial é ter um relacionamento ruim.

  • Todo mundo quer um relacionamento no qual ambos os parceiros estejam contribuindo igualmente para o casamento. E enquanto o seu cônjuge contribui com a parte dele, você vai contribuir com a sua. Mas você sabia que esse tipo de relação de 50/50 pode realmente ser ruim? Aqui está um exemplo do porquê:
    Jenny e Jim vieram para um aconselhamento porque eles discutem - muito. Começamos a entrevista, e eles então passaram muito tempo discutindo e um tentando provar que a culpa dos problemas conjugais era do outro. Jim disse: "Você está sempre tão ocupada com as crianças, a escola deles, e a limpeza que você nunca tem tempo para mim. Se você me desse um pouco de carinho de vez em quando não precisaríamos de aconselhamento." Jenny rapidamente entrou na conversa: ”Eu?! Quantas vezes já lhe disse para não ficar tão irritado e ainda assim você fica! Você é a razão do nosso casamento ser difícil. Se você apenas controlasse seu temperamento, não precisaríamos de aconselhamento".
    Deram voltas e voltas um culpando o outro, até que finalmente pararam. "Será que vocês não vieram aqui apenas para que eu pudesse assistir à sua discussão?” Eu disse sorrindo. Os dois riram. Ambos estavam dizendo algo que um monte de casais diz um ao outro. Se você fizer a sua parte, eu faço a minha. Mas eu não vou fazer a minha parte, até que você comece a fazer a sua. Isso faz sentido, certo? Uma vez que existem duas pessoas em um relacionamento, não há problema em esperar o outro começar a fazer sua parte para que você faça a sua. Mas esse tipo de pensamento 50/50 é realmente prejudicial em um casamento.
  • Os casamentos não devem ser 50/50

  • Dê 100 por cento

    Em vez de dar 50 por cento no relacionamento, cada cônjuge deve dar de si 100 por cento. Você não deve esperar de braços cruzados que seu cônjuge dê o primeiro passo para começar a andar. Isso fará com que tudo permaneça num impasse sem fim como o de Jim e Jenny. E ao invés de tentar consertar o relacionamento, vocês vão acabar com o dedo apontado um para o outro e em uma concorrência para tentar provar ao outro por que ele está errado e o que ele deve fazer para começar a corrigir o casamento em primeiro lugar.
  • Veja o seu esforço como um investimento

    Quando você vê o casamento como um investimento de 100 por cento, você faz de tudo para se certificar de que está ouvindo seu cônjuge, que está acolhendo as necessidades dele, e que você trabalha para resolver os problemas quando eles surgem sem esperar que o outro comece a trabalhar com eles primeiro. Você reconhece a sua contribuição para o problema e aceita a plena propriedade do mesmo. E você faz o que precisa fazer para ajudar o seu relacionamento crescer.
  • Mova o seu relacionamento na direção que você deseja

    Outra grande vantagem em ver o casamento como um investimento de 100 por cento em vez de 50/50 é que você sente que tem mais controle sobre a direção que seu relacionamento está tomando. Em vez de se sentir impotente quando o seu cônjuge não contribui para o relacionamento, você se sente confiante de que ainda assim pode fazer algo positivo de qualquer maneira. Você gostaria de ter o apoio de seu cônjuge, mas você não tem que ter para ser feliz. Dando 100 por cento, você tem uma grande quantidade de energia para orientar o relacionamento em uma direção que trará felicidade a ambos.
    Quando seu cônjuge notar que você está dando 100 por cento, ele estará mais propenso a dar 100 por cento também. E uma relação em que ambos os parceiros estão dando 100 por cento é muito mais feliz do que um relacionamento onde eles estão apenas dando 50 por cento.